Buscar

Arquivo de Notícias

19/04/2017

Câmara realiza 1ª audiência sobre Transporte Coletivo após licitação do sistema

Avaliar o que modificou, o que melhorou, o que não funciona e o que ainda precisa ser feito para aprimorar o transporte coletivo de Juiz de Fora. Estes foram os principais objetivos da audiência pública realizada na tarde desta quarta-feira, 19, na Câmara Municipal, proposta pelo vereador Cido Reis (PSB).
 
Segundo o parlamentar, várias reclamações da população chegaram ao seu gabinete como atrasos e descumprimentos de horários, superlotação de veículos, ônibus circulando em situação precária, problemas no serviço de wi-hi, falta de abrigos e muitos em péssima situação, além da questão da segurança, tanto para os usuários quanto para os profissionais que trabalham no sistema. 
 
Cido também fez outros questionamentos às autoridades de trânsito presentes à audiência como o que causou o recente acidente na Avenida JK envolvendo vários passageiros, como funcionam os ônibus verdes, conhecidos como lotes verdes, além das falhas nos jps instalados nos veículos de transporte coletivo e como está a negociação salarial da categoria.  
 
Usuários e presidentes de bairros também fizeram vários questionamentos. Ari Jefferson Guimarães, da Associação do Bairro Santa Luzia, informou que a população do seu bairro sofre com a falta de ônibus e a diminuição no número de viagens. Vinícius Soares, do Conselho Municipal das pessoas portadoras de deficiência, pediu mais carros de apoio e relatou as dificuldades das pessoas com deficiência em utilizar o transporte coletivo por causa dos poucos carros adaptados. 
 
 Vanilce da Silva Costa – moradora do Bairro Nova Benfica, foi enfática e disse que “parece que não aconteceu licitação porque não mudou nada”.  Aparecida Fátima da Silva – presidente do Bairro Barreira do Triunfo, solicitou mais ônibus para os bairros Novo Triunfo II e Barreira do triunfo.
 
 O vereador Vagner de Oliveira (PSC) questionou porque a região Nordestes de Juiz de Fora não tem um ônibus que faça a ligação diretamente com a UFJF e o Hospital Universitário como acontece em outras regiões. Informou, também, que um grupo de crianças precisa andar muito tempo a pé na região do Florestinha para chegar até o ponto de ônibus.
 
O parlamentar Sargento Mello Casal (PTB) questionou a qualidade das imagens dos ônibus que já foram assaltados. O vereador tentou identificar alguns assaltantes pelas imagens dessas câmeras, mas não obteve sucesso por causa da péssima qualidade das mesmas.  
 
Ana do Padre Frederico (PMDB) cobrou da Settra e das empresas de ônibus o cumprimento de um Projeto de Lei de sua autoria que autoriza motoristas e cobradores a usarem bermudas padronizadas, gerando mais conforto para os mesmos. E também questionou se as câmeras instaladas nos veículos não passam por manutenção.  
 
O representante do Sindicato dos Trabalhadores Coletivos, Vagner Evangelista Correa, afirmou que as negociações salariais da categoria estão bem avançadas. Contudo, não está descartada a greve. “Estamos fazendo esforço para que isso não aconteça porque a paralisação não é bom para ninguém”
 
O secretário de Transporte e Trânsito, Rodrigo Tortoriello, respondeu a todos os questionamentos, mas solicitou que os problemas pontuais apontados durante a audiência fossem tratados diretamente na sua pasta. “Durante a audiência, tivemos reclamações de que o sistema mudou demais ou mudou de menos. Mais de 80% do quadro de horário foi alterado. Em relação aos horários de pico, é realmente complicado em qualquer lugar do mundo. O que a gente tenta fazer é minimizar estes problemas. A Getúlio Vargas está sendo preparada para uma grande obra, em fase de projeto. Aproveito para fazer um apelo aos presidentes de bairros. Queremos migrar algumas linhas da Getúlio Vargas para a Av. Avenida Brasil”, disse.
 
Informou, também, que o consórcios que gerenciam o transporte coletivo foram multados em R$ 16 mil por causa de falhas no wi-fi. “Isso já é reflexo da mudança. Antes da licitação não era permitido multar porque o contrato era frágil. Ainda há vários problemas, mas conseguimos vários avanços.  A idade média dos veículos passou de oito para cinco anos. Ainda temos 70 veículos zero quilômetro para entrar em circulação este ano e, vamos, também, ampliar o bilhete único. 
 
Ao final da audiência, Cido lamentou as ausências dos representantes dos consórcios das empresas de ônibus, afirmando ser um descaso com a população de Juiz de Fora e falou que quer acompanhar o laudo da Polícia Civil (PC) sobre o acidente recente na JK. A vereadora Delegada Sheila (PTC) informou, em primeira mão, que o laudo da PC constatou que não foi falha mecânica. 
 
 
Informações: 3313-4734 / 4941 - Assessoria de Imprensa
 
 

Visualizada pela 52ª vez

Câmara Municipal de Juiz de Fora
Rua Halfeld, 955 - Centro, Juiz de Fora/MG
Tel: (32) 3313-4700

design by
©2011 Câmara Municipal de Juiz de Fora | Licensa Creative Commons